.: LRT - Temporada 2021 - Tatuí Tênis :.

Bruno Gruninger


  • Atualizado: 05 de Fevereiro de 2021
    Bruno Gruninger é Fisioterapeuta do Esporte (SONAFE), professor universitário (UNIFSP - Itapetininga) e sócio-proprietário da “Unum Fisioterapia Especializada” (localizada na cidade de Tatuí-SP).
    Quer saber mais? Mande um email para brunogruninger@gmail.com ou pelo Instagram bruno.gruninger !
  • Um tenista com dor no ombro. E começa a perceber que está perdendo potência no saque. Muita dupla falta, o primeiro saque está fraco, não está entrando. Olha que interessante o que pode acontecer: Essa dor no ombro pode ser fruto de muitas coisas. Entre elas, uma diminuição da mobilidade do ombro.

    Isso tem um risco maior de surgir uma lesão nessa articulação e em toda a musculatura envolvida (escapula, peitoral, costas). Além disso, apresenta também maior risco para a ocorrência de instabilidade anterior do ombro devido às inúmeras repetições do movimento de saque. Se identificou com essa história?

    Por isso que é importante entender a sua fase de adaptação neuromuscular, saber se as amplitudes estão em uma média “saudável”, se a força das pernas estão nos valores aceitáveis... e por aí vai!

    Só depois de verificar quais são as adaptações e qual a magnitude delas é possível corrigir previamente possíveis assimetrias, evitar perdas de ADM, flexibilidade ou força. Fazer um trabalho focado e assertivo na prevenção de possíveis lesões pode auxiliar o atleta a realizar uma boa temporada sem lesões.

    Se identificou com a história?

    Forte abraço e bons treinos.
    Bruno Gruninger

  • Ótimo esse mind-set né?!

    Querer aumentar a performance, prevenir possíveis lesões e treinar como nunca!

    E o que isso significa? Vamos juntos tentar entender?

    Uma das capacidades inerentes do corpo humano e extremamente necessária e importante é a adaptação que o corpo sofre aos estímulos ocasionador pelos treinos e jogos. Essa adaptação envolve todo o sistema músculo esquelético (osso, tendão, cápsula articular, músculo...) e, geralmente, é benéfica. E a Partir dessa adaptação que ganhamos massa muscular, resistência muscular, força...

    Entretanto, muitas vezes estas adaptações são negativas, como no caso de uma dor, um estamos muscular, entre outros. Essas adaptações negativas ocorrem muitas vezes quando há um controle inadequado da carga de treino por tempo prolongado ou quando há um histórico de lesões importante de um determinado atleta. Ou seja, treinar 7x por semana em um ritmo intenso pode ser prejudicial. Ou aquele entorse no tornozelo que você teve, pode gerar algum risco mesmo que anos depois.

    Então, “take it easy”. É importante conhecer o limite do seu corpo, acompanhar essas adaptações dando o tipo e a quantidade certa de estímulo!

    Forte abraço e bons treinos.
    Bruno Gruninger

  • De bate-pronto: PODE!

    Mas como? Me disseram que nunca mais ia conseguir fazer nada!

    Pois é! É bastante assustador quando temos o diagnóstico de hérnia de disco né. Se olhar na internet então, tem cada caso que até arrepia! Mas nem sempre vai ser isso tudo que o pessoal fala.

    É lógico que se você estiver em uma crise, qualquer atividade vai ser mais difícil. E talvez nesse momento de crise, o tênis não irá ajudá-lo! Mas mais importante que isso, é entender que, mesmo na crise, NÃO FIQUE PARADO!

    E toda regra tem exceção. Em casos raros a pessoa apresentará déficit funcional, déficit neurológico e perda acentuada dos níveis de força. Nesse caso, só o tratamento irá resolver.

    Tá com dor nas costas e quer voltar a praticar esporte? Procure profissionais que são envolvidos com esporte para te ajudar. Eles que vão te orientar da melhor forma possível e não vão falar pra você parar de jogar!

    Forte abraço e bons treinos.
    Bruno Gruninger

  • Você sabia que dentro da Profissão do Fisioterapeuta tem uma especialidade apenas para lidar com atletas? Sim, ela existe. É o Fisioterapeuta do Esporte.

    Esse é um profissional que além de entender das lesões e das disfunções relacionadas à pratica esportiva, também busca conhecer o seu esporte, por mais diferente que ele seja. Sua atuação é voltada para todos os tipos de atletas: amadores, profissionais ou ainda recreacionais ou qualquer praticante de atividade física em geral.

    A atuação dessa especialidade foca, principalmente em Prevenção, Reabilitação e Atendimento de Campo.

    Na prevenção, o fisioterapeuta especialista deve avaliar o praticante antes e durante o período do treinamento, identificando fatores de risco que possam ser corrigidos para se evitar uma lesão.

    Na reabilitação, o Fisioterapeuta do Esporte é o mais indicado para tratar problemas musculoesqueléticos (tendinopatias, lesões musculares, dores nas articulações entre outros), problemas ortopédicos (antes e depois de cirurgias ligamentares ou fraturas, por exemplo) ou problemas clínicos que tenham origem no esporte.

    O fisio do esporte tem ainda capacidade de prestar atendimento aos atletas nos locais da sua prática e é, muitas vezes, o responsável pelo atendimento inicial do atleta, dentro do campo.

    Precisou de um Fisioterapeuta especializado no esporte? Procure os que fazem parte da SONAFE (Sociedade Nacional de Fisioterapia Esportiva e da Atividade Física).

    Forte abraço e bons treinos.
    Bruno Gruninger

  • Quem já está acostumado a treinar sabe, e até gosta, daquela dorzinha do dia seguinte. Mas como podemos identificar se essa dor está ficando perigosa? Vamos lá, algumas dicas:

    * A Dor aumenta ou se mantém em alta intensidade durante a atividade;
    * A sensação da dor não diminui mesmo depois de 3 dias;
    * A dor parece uma “pontada” ou uma “agulhada”. Tem gente que relata que parece um “rasgo” no músculo;
    * A dor permanece em um ponto específico do músculo!

    Se percebeu que a sensação não está melhorando ou que a dor está impedindo de realizar a sua prática esportiva isso requer cuidados e atenção especial de um profissional.

    Está com dor ou alguma lesão? Conta pra gente! Mande um email para brunogruninger@gmail.com ou pelo Instagram bruno.gruninger

    Forte abraço e bons treinos.
    Bruno Gruninger

  • Fala pessoal, todos bem? Como estão treinando? Com o afrouxamento dos estados às medidas restritivas frente à COVID-19, as atividades estão voltando ao normal.
    E com o tenis não é diferente, os apaixonados pela bolinha verde já estavam desesperados! Então, seguem algumas dicas para o retorno aos treinos:

    1 - Um BOM AQUECIMENTO é essencial!
    Faça alguns exercícios para preparar o corpo para atividade: uma corrida leve, movimentos com o braço, agachamentos e pequenos saltos laterais vão ajudar seu corpo a se aquecer adequadamente.

    2 - Comece DEVAGAR!
    De nada vai adiantar sair querendo dar o saque mais rápido da sua vida na primeira bola. Vá com calma!

    3 - Se HIDRATE!
    No período de isolamento social, nossos hábitos mudaram muito. Provavelmente sua alimentação e a sua hidratação pioraram. Lembre-se que a hidratação vai te ajudar a ter um dia seguinte melhor. Use e abuse.

    4 - DESCANSE entre as sessões de treino!
    Não vai adiantar treinar em duas semanas para “tirar o atraso” dos últimos 4 meses. Devagar e sempre!

    5 - Se tem histórico de alguma lesão, ATENÇÃO REDOBRADA!
    História de lesão prévia é um dos fatores de risco para uma nova lesão. Talvez você precisará de ajuda especializada para os treinos. 6 - Alie, na medida do possível, um treino físico com o treino de quadra!
    A boa e velha academia pode (e deve) ser utilizada! Isso te dará uma boa estrutura corporal para dar sequência nos treinos de quadra.

    7 - VAI doer!
    Mas é aquela dorzinha boa, de fazer exercício. E essa você já estava com saudade, não é mesmo?

    Forte abraço e bons treinos.
    Bruno Gruninger

  • Fala pessoal, todos bem? Sou Bruno Gruninger, Fisioterapeuta Especialista em Fisioterapia do Esporte e tento jogar tênis.
    Usarei esse espaço para ajudar todos nós, tenistas, a entender melhor o corpo, as lesões e como preveni-las! A diferença entre uma vitória e a derrota está sempre nos pequenos detalhes, e nosso corpo bem sabe disso. Aquela dor que não te deixa melhorar o saque, aquela cãibra quando você está sacando para fechar o ponto ou aquela lesão antiga que insiste em aparecer nas horas da decisão...
    Será que precisa ser sempre assim? Será que não tem nada que dê para fazer? Então, vamos juntos descobrir como podemos nos cuidar melhor?
    Forte abraço.
    Bruno Gruninger